Herdei um jardim. Bem, não só um jardim, mas também as casas que lhes pertencem. Passo a explicar: no dia 26 de Abril faleceu uma tia minha, irmã da minha mãe, que deixou em testamento os únicos bens que possuía, uma casa, um jardim e uma pequena casa anexa, a mim e ao meu irmão. A casa fica na minha terra natal, Vila Nova de Milfontes, no litoral alentejano, na costa vicentina. 
Assim, estamos agora na fase de limpar e arranjar as casas ao nosso gosto, bem como os 80 m2 de jardim de modo que as possamos usar como casas de férias, fins-de-semana e talvez alugar ou emprestar a amigos. A casa está bem situada, numa zona sossegada da vila e a 10 minutos a pé da praia.
Apesar da tristeza que foi a morte repentina da minha tia, acredito que, onde ela estiver, estará satisfeita por estarmos a cuidar do seu cantinho.

As primeiras fotos do jardim foram tiradas no mês de Maio. Tem uma Cameleira, uma Nespereira, um Limoeiro, uma Laranjeira e um Tomateiro arbóreo. Muitas ervas e poucas flores. Algumas Papoilas, Gladíolos, uma Aquilégia diferente das minhas e dois tipos de Alstroemerias. 
Entretanto no fim-de-semana grande de 10 de Junho o trabalho no jardim avançou bastante. Apanhámos as ervas todas, limpámos tudo, podei as árvores, plantei uns cravos túnicos, umas Hortênsias e Lavanda. Encontrei ainda umas Dálias à venda e plantei, ainda que tardiamente. Foi instalada uma rega automática, coloquei fertilizante em todas as plantas, espalhei granulado para os milhares de caracóis e lesmas que por lá existem, reenvasei alguns Cymbidium que estavam moribundos e depois de quatro dias de trabalho, ao fim da tarde de Domingo, antes de regressarmos, ficou com este aspeto.

A partir de agora vou mostrar aqui a evolução do jardim. Irei também começar um outro blog sobre este espaço onde irei relatar tudo o que vai acontecendo nas casas e jardin da Quinta do Velho Nr. 13, em Vila Nova de Milfontes.