Já conhecia esta Dália há algum tempo, de fotografias e artigos, pela beleza das suas cores e o magnífico contraste entre as flores duplas de petalas vermelhas com o centroda flor amarelo e as folhas escuras em tom de bronze e negro. Admirei-as ao vivo quando visitei Sissinghurst e Great Dixter. Foi mesmo o Jardineiro-chefe de Great Dixter que escreveu na edição comemorativa do 20º aniversário da revista inglesa GARDENERS WORLD que achava que esta era a sua Dália favorita.
Transcrevo para aqui o pequeno artigo de Fergus Garrett, em resposta à pergunta Qual é a melhor Dália?
“MELHOR DÁLIA
Dahlia ‘Bishop of Llandaff’
Escolhida por Fergus Garrett
A Dália tem um passado de fama alternada – desde os seus anos gloriosos do inícios dos 1900’s onde foi muito amada e plantada em todos os jardins aos 1980’s quando foi ridicularizada e tida como de mau gosto. É claro que esta snobice foi abandonada quando as pessoas viram a planta pelo que ela é. Agora está a gozar um resurgimento da sua popularidade com os jardineiros a desejarem cores espampanantes, brilhantes e exóticas de um carnaval como só as pomposas Dálias podem oferecer.
Há muitas variedades de Dálias no mercado que se salientam, mas só pode haver uma vencedora. A Dália ‘Bishop of Llandaff’ é a mais conhecida de todas as Dálias de jardim. Criada em 1924, passou o teste do tempo e cruzou todas as fronteiras do gosto. As planta que vemos hoje em dia  podem variar na qualidade mas a maioria é ainda muito boa. De tamanho médio, brilhante, vermelho-vivo, as flores duplas de centro amarelo são elevadas entre os 100 – 150cm de altura, bem acima da folhagem recortada como um feto e de cor bronze-escuro. As folhas são grossas e decorativas merecedoras do seu lugar numa bordadura mesmo antes do aparecimento das flores em Julho. A floração continua a todo o vapor até Outubro, quando chegam as primeiras geadas.

Cresce até 150cm e 60cm de largura
Gosta de muito sol
Gosta de solos ricos, húmidos e com boa drenagem
Floração entre Julho e Outubro
Plantação quando terminarem as geadas”