Dear Christo, Memories of Christopher Lloyd at Great Dixter
Depois de ter lido vários livros escritos por Christopher Lloyd, a minha curiosidade em visitar o seu jardim, Great Dixter, no sul de Inglaterra, era imensa e no Outono do ano passado consegui realizar esse meu sonho. Apesar de ter apanhado um típico dia de chuva inglês, não foi esse contratempo que tirou a magia de estar no jardim de um dos mais famosos jardineiros britânicos. Fiz a visita ao edifício principal, uma antiga casa com aspecto atarracado, muito bonita, cheia de história e personalidade e depois os jardins, um imenso labirinto de recantos fantásticos onde cada planta, cada vaso, cada árvore tem a sua função. Adorei e tenho que voltar para admirar o jardim numa Primavera, em plena floração.
O proprietário deste jardim, Christopher Lloyd, que se tornou conhecido no mundo da jardinagem pelos seus artigos que escreveu durante 17 anos na revista ‘Country Living’ e pelos seus inúmeros livros de jardinagem, faleceu em 2006, poucos meses antes de eu ter lido pela primeira vez um dos seus livros, de que também já falei aqui neste blog.
Este livro – Dear Christo – foi editado em Outubro de 2010 e é uma homenagem póstuma de todos os amigos e pessoas que foram ‘tocadas’ por ele de uma maneira ou outra, pela sua generosidade, pelos seus conhecimentos de plantas e jardinagem ou pela sua peculiar personalidade que não deixou ninguém indiferente. No livro, algumas dezenas de pessoas importantes no mundo da jardinagem e no mundo das artes, deixam o seu contributo em forma de texto onde escrevem sobre o que mais os marcou no homem, na obra ou no jardim.
Infelizmente já não fui a tempo de o conhecer em vida mas a sua obra é imensa e o seu contributo para a jardinagem vai influenciar muita gente, como aconteceu comigo, mesmo após a sua morte.
Na minha breve visita a Great Dixter troquei algumas palavras com Fergus Garett, o jardineiro actualmente responsável pelo jardim e que trabalhou com Christopher Lloyd durante 15 anos. Na minha opinião ficou tudo em boas mãos.
Um bom livro para quem é admirador da obra de Christopher Lloyd.