O meu jardim é, no início de Agosto, um mar de Fuchsias. De tantas cores e combinações e de formas e tamanhos tão diferentes. São das flores que gosto há mais tempo. Lembro-me de gostar delas desde pequenino, de visitar o jardim da minha avó ou da minha tia Prazeres e de rebentar os botões das primeiras Fuchsias para espreitar as petalas rendilhadas e coloridas que estavam lá dentro. (E também porque gostava de ouvir o ‘Pop’ que faziam ao rebentar.)
As Fuchsias devem o seu nome a um botânico alemão, Leonard Fuchs, não que o senhor as tivésse descoberto, o nome foi-lhes dado em homenagem a ele. O botânico renascentista nem nunca viu a planta que recebeu o seu nome pois quando o primeiro exemplar chegou à Europa vindo da América do Sul, já este tinha morrido há muitos anos. No entanto, as Fuchsias cá estão para o lembrar e manter a sua memória e trabalho vivos até aos dias de hoje.